Reforma da Previdência vai garantir mais 50 anos de corrupção e salários acima do teto

A Reforma da Previdência é importantíssima.

Ela vai garantir mais 50 anos de corrupção no sistema político, salários de juízes e promotores acima do teto constitucional e anulações de multas bilionárias para grandes empresas.

Como diz o ministro Henrique Meirelles, sem a Reforma da Previdência, o Brasil quebra. O Brasil precisa continuar funcionando do jeito que sempre funcionou. A Lava Jato que o diga.

Enquanto o pequeno empresário e o trabalhador se matam, grandes empresas têm multas bilionárias anuladas pela Receita Federal. Isso precisa continuar. Que o diga o Carf.

Enquanto a população e pequenos empresários pagam a conta trabalhando 49 anos ou comprando uma previdência privada, os juízes e procuradores podem ganhar entre R$ 80 mil e R$ 300 mil. Isso não pode mudar.

Com a Reforma da Previdência, em vez do dinheiro ir para os aposentados, que dinamizariam a economia das pequenas e médias cidades, ele pode manter o sistema de corrupção brasileiro sem nenhuma mudança, funcionando como sempre funcionou.

A democracia pode continuar do mesmo jeito, com um voto a cada 4 anos, e só. Mais nada.

Se não reformar a Previdência, como manter os privilégios e o excesso de funcionários no Supremo, no Congresso Nacional e outros poderes? Não tem como. A Reforma é imprescindível.

Se não reformar a Previdência, como pegar cerca de 50% de toda a riqueza do país e transferir para pagamentos de dívidas (sem auditoria)? Não tem como.

Se não reformar a Previdência, teríamos de exigir obrigatoriamente um seguro (performance bond) nas licitações de obras públicas para que fossem concluídas e isso acabaria com as obras inacabadas. Não dá. Isso não pode mudar. Não se pode exigir um seguro de obras como se tem um seguro de automóvel. É muito complicado. Imagina a dificuldade!

A Reforma da Previdência é necessária, super necessária. Ela vai garantir mais 50 anos de injustiça e corrupção. (Por Susiana Drapeau)

Leia Mais

Policiais federais fazem ato no Amapá contra a reforma da Previdência

PEC 287 pode suspender aposentadoria especial, segundo a categoria. Protesto ocorreu nesta quarta-feira (5) em Macapá e Oiapoque. Policiais federais do Amapá realizaram na manhã desta quarta-feira (5) um protesto nas cidades de Macapá e Oiapoque, contra a PEC 287, que propõe a reforma da Previdência. A proposta pretende mudar critérios da aposentadoria dos policiais, […]

Saiba Mais

A explosiva combinação das reformas trabalhista e da Previdência

Em um cenário de baixo crescimento econômico, esse arranjo derrubará as receitas previdenciárias, e há risco real de o regime geral quebrar Combinadas, a reforma da Previdência (PEC 287/2016), a terceirização irrestrita recém-sancionada por Michel Temer e a reforma trabalhista (Projeto de Lei 6.787/2016) que tramita no Congresso Nacional poderão quebrar o Regime Geral da […]

Saiba Mais

Previdência: patrimônio dos brasileiros em xeque

A reforma propõe limitar o sistema de aposentadoria pública em favor da expansão da complementar, privada, em um típico processo de mercantilização

Após a aprovação da PEC 55, que estabelece teto para os gastos públicos e afetará em particular a saúde, a educação e a política de assistência social, a próxima investida do governo Temer-Meirelles é a reforma da Previdência Social, materializada na Proposta de Emenda Constitucional 287, que tramita no Congresso. Colocada como prioridade na agenda de governo para 2017, a reforma, segundo a narrativa oficial, encontra justificativa no suposto déficit previdenciário.

Com o pensamento liberal-conservador a ganhar amplo espaço no meio político, os interesses coletivos deixam de ser a questão central para se converter na defesa da soberania dos mercados e dos interesses individuais.

Durante o fecundo processo de debate constitucional de 1988, o legislador constituinte estabeleceu um sistema de seguridade social universal, solidário e baseado em princípios redistributivos. Definindo uma seguridade social inclusiva e abrangente com ênfase no Estado de Bem-Estar Social, nossa Previdência foi inspirada na experiência da social-democracia europeia do pós-guerra, abrangendo os princípios básicos da cidadania beveridgiana como parte integrante de um amplo sistema de proteção social com os direitos à saúde, à assistência social e ao seguro desemprego. A PEC 287 propõe, no entanto, um conjunto de alterações que tendem a restringir o direito à Seguridade Social, cuja universalidade passa a estar sob risco.

Na proposta em tramitação, as mudanças colocadas pelo governo irão afetar não somente o acesso à aposentadoria, mas o valor dos benefícios previdenciários e assistenciais e a possibilidade de acumulação de benefícios. Ainda mais, a PEC 287/2016 trata de impor regras rígidas na concessão da aposentadoria mais duras que as praticadas em nações mais homogêneas, o que num futuro próximo irá ampliar consideravelmente o contingente de trabalhadores sem proteção na velhice.

Logo, milhares de trabalhadores serão expulsos do sistema previdenciário por não terem capacidade contributiva, por não terem sequer condições de saúde para continuar no trabalho e também por terem a ciência de que é inútil contribuir para algo inatingível ou apenas atingível quando sequer restam forças físicas para uma vida com alguma dignidade.

Ao sofrer um processo de desestruturação de suas bases institucionais nas últimas décadas, em especial, por meio das Emendas Constitucionais 20/1998 e 41/2003, sem dúvida a mais ampla e radical proposta de reforma desde a Constituição de 1988 chama-se PEC 287. Ademais, sob a égide da dominância financeira e da ideologia neoliberal, o que a 287 propõe é o estancamento dos regimes próprios de Previdência (pública) e a expansão da Previdência Complementar (privada), cujo produto é vendido por bancos e seguradoras, o que acaba por se configurar em um típico processo de mercantilização do sistema.

Baseado em argumentos de ameaça e chantagem de uma crise causada pelo envelhecimento da população e suas consequências negativas que resultam em um “rombo” do sistema, pretende o governo elevar a idade mínima para se aposentar. Por ser essa justificativa baseada na expectativa de vida média do brasileiro, atualmente de 75,5 anos em geral e de 79,1 anos para as mulheres, a proposta apresentada pelo governo federal estabelece uma idade mínima de 65 anos para homens e 60 anos para mulheres. A aposentadoria por tempo de contribuição exige 35 anos para homens e 30 anos para as mulheres.

Pela média simples, segundo o IBGE, algumas unidades federativas tem expectativa maior, como por exemplo Santa Catarina (mulheres com 82,1 anos, média de 78,7 anos, Espírito Santo 77,9 anos e São Paulo, com 77,8 anos). E há estados como o Maranhão, que tem uma expectativa muito menor, com uma previsão de 70,3 anos para ambos os sexos, Piauí (70,9 anos), Rondônia (71,1 anos), Roraima (71,2 anos) e Alagoas (71,2 anos). No geral, 18 estados estão abaixo da média e apenas nove acima. A diferença entre Santa Catarina e o Maranhão é de 8,4 anos. Isso sem considerar que em muitos municípios brasileiros a média sequer chega aos 65 anos.

Elevar progressivamente a carência mínima de 65 para 70 anos para a concessão do Benefício de Prestação Continuada, ao contrário de ampliar a inclusão previdenciária, irá aumentar o contingente de novos trabalhadores, que serão expulsos do sistema previdenciário por não ter capacidade contributiva ou por não ter saúde para continuar no trabalho.

Assim, poderíamos dizer que a menor expectativa de vida coincide com estados e municípios mais pobres. Embora a PEC afete a todos, a reforma da Previdência irá punir especialmente os trabalhadores mais pobres e espoliados, que na jornada de trabalho ao longo da vida desempenham as funções mais desumanas e que, provavelmente, trabalharão até morrer.

Diante disso, podemos dizer que a elevação da idade para acesso ao benefício assistencial irá colocar uma parcela expressiva da população em condições de vulnerabilidade e de total (des)proteção social. Ademais, é preciso dizer que a proposta contraria frontalmente a Declaração Universal dos Direitos Humanos, na medida em que não estará assegurado a todos “o direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle”.

Trata-se de uma reforma para excluir, e não para incluir, como bem destacam a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos.

* É doutorando pelo Instituto de Economia da Unicamp

Fonte: Carta Capital

Leia Mais

Na reforma da Previdência, políticos e cidadãos não falam a mesma língua

De costas para o povo, os gestores ignoram impactos nas economias locais e amedrontam os incautos com projeções nada confiáveis Michel Temer e sua equipe não têm medido esforços e recursos públicos para convencer a população da necessidade de sua draconiana reforma da Previdência. Bancadas pelo Erário, as peças publicitárias alarmistas do governo federal, suspensas […]

Saiba Mais

O Dia: Movimento pede saída de secretário da Previdência ao Congresso

Entidade sindical de servidores públicos protocola nova solicitação para afastar Marcelo Caetano devido a conflito de interesses Após ser denunciado à Comissão de Ética da Presidência da República e ao Ministério Público Federal (MPF) por conflito de interesses, o secretário de Previdência, Marcelo Caetano, agora terá que se explicar ao Congresso. Por ser membro do […]

Saiba Mais